A fobia social possui componentes que funcionam em harmonia para gerar o máximo de destruição na sua vida.

Esses ciclos são como engrenagens em uma máquina feita para triturar sua força de vontade.

Por isso que os chamo de ciclos do inferno da fobia social, são fases que alimentam uma à outra e te mantêm preso nela.

ciclo da fobia social

1º Ciclo – Se cobrar padrões sociais altos

Imagine-se na corte de um rei. Toda a pompa e glamour, as regras de etiqueta, os trajes alinhados e a cultura entranhada em cada fio de seda.

Você saberia navegar nesse cenário social?

Acho que nenhum de nós hoje conseguiria. No entanto é assim que as pessoas que sofrem de fobia social se cobram.

Porém, atente para esse fato histórico: essa corte provavelmente fedia à perfume misturado com suor e carniça, o mal hálito era horrível e as perucas normalmente cobriam cabeças infestadas de piolhos.

A imagem mental mudou bastante, não é?

Se cobrar padrões sociais altos é estar em desconexão com a realidade. Claro que existem lugares que cobram certa formalidade, mas a perfeição vendida não existe. Então perde o sentido que você se cobre o mesmo.

Porém a pessoa com fobia social se cobra, para evitar gafes, para evitar pagar mico, para evitar ser visto como inferior. Porém isso leva ao…

2º Ciclo – Autopercepção negativa

Ao se analisar e comparar-se com o meio, a pessoa que sofre de fobia social acaba por sempre se enxergar de forma negativa, vendo falhas nos minúsculos detalhes.

Isso acontece por conta da distorção da realidade para que esta se encaixe em uma narrativa preconcebida, como por exemplo a inadequação física (“Todos são mais bonitos que eu”).

Para piorar, além da pessoa ter uma autopercepção negativa, ela cria uma percepção positiva distorcida das outras pessoas, sem perceber os piolhos e dentes podres e os vendo como seres belos e sem falhas.

Então o contraste fica tão escancarado que é inevitável que a pessoa comece a sentir ansiedade, e isso é sinal do…

3º Ciclo – Baixo controle emocional

Nesse ponto a pessoa começa a sentir os sintomas característicos da fobia social. Isso por que o baixo controle emocional faz com que os pensamentos distorcidos e julgamentos enganosos disparem sentimentos de ameaça no cérebro.

O controle emocional é um escudo que protege a pessoa que sofre de fobia social da espiral descendente que a crise de ansiedade causa.

A falta desse controle emocional leva à…

4º Ciclo – Deterioração física e mental

Com a adrenalina e o cortisol fluindo livres no corpo, os sintomas se tornam cada vez mais intensos, ao ponto de que eles se tornam transparentes, o que deixa a pessoa com fobia social ainda mais consciente da imagem que está passando para os outros, o que só faz piorar o sentimento de ameaça e, por consequência, a ansiedade.

Essa deterioração refletida em corpo (tremedeiras, suor, visão turva, enjoo, dores, respiração acelerada e curta) e mente (aceleração do pensamento, pensamento cada vez mais distorcido, foco cada vez maior nos sintomas) acabam por levar à única saída óbvia…

5º Ciclo – Evitação

O enfrentamento da situação é tão agoniante que a pessoa escolhe o caminho mais simples: sair de cena.

Isso causa uma cessação imediata dos sinais de perigo no cérebro e, por isso, a reação de defesa (ansiedade) desaparece conforme o sistema nervoso parassimpático entra em ação (como explicado aqui)

Isso certamente causa um grande alívio, porém ensina (condiciona) o seu cérebro que a solução para esse problema é a fuga. Ou seja, você condiciona o seu cérebro a buscar esse comportamento sempre que se vê nessa situação.

Por isso que a fobia social é tão difícil de se combater: ela exige embate direto, sustentar o desconforto da ansiedade, para romper com esse ciclo infernal

Porém, como nem tudo são flores, apesar de os efeitos da ansiedade terem passado, o cérebro de quem sofre de fobia social trata de transformar esse alívio em algo negativo, que é a…

6º Ciclo – Ruminação pós-evento

Você se livrou do sufoco de ter que permanecer naquela situação desconfortável que foi o evento social.

Porém, junto com o alívio vem a cobrança. “Por que você não tentou mais?”, “Por que você não falou com alguém?”, “Por que foi com essa roupa ou não com outra”, “Você é covarde!”.

Isso é tudo que seu cérebro tem para oferecer para a pessoa com fobia social: tortura pós trauma.

Isso te faz pensar, refletir e prometer para si que na próxima vez vai ser diferente, que você entende melhor a dinâmica da coisa e que seus padrões sociais vão se elevar.

Mas, assim que você se vê em uma situação social, você volta ao primeiro ciclo e se cobra padrões sociais irreais e assim começa tudo de novo.

Como quebrar esse ciclo?

Veja neste outro artigo

Curta, compartilhe e espalhe o bem!

Até a próxima!